Review de Venom

por há 2 semanas e 44 leituras

Sinopse:

“Eddie Brock (Tom Hardy) é um jornalista investigativo, que tem um quadro próprio em uma emissora local. Um dia entrevista Carlton Drake (Riz Ahmed), o criador da Fundação Vida, que investe em missões espaciais. Após acessar um documento sigiloso enviado à sua namorada, a advogada Anne Weying (Michelle Williams), Brock descobre que Drake tem feito experimentos científicos em humanos. Procurado pela Dra. Dora Skirth (Jenny Slate), ele recebe a denúncia de que usam simbiontes alienígenas em testes com humanos.”

Ficha técnica:

Data de estreia: Outubro de 2018

Direção: Ruben Fleischer

Atores principais: Tom Hardy, Michelle Williams, Jenny Slate, Riz Ahmed

Gênero: Ficção

Eu não sabia muito sobre Venom, só que era baseado em HQ da Marvel. E, claro, assisti aos trailers. Tom Hardy, que para mim é o novo Mel Gibson, me convenceu a ir ao Cineflix assistir ao filme.

Sendo um bom jornalista investigativo, logo Eddie tem acesso a um documento, enviado por e-mail, para sua namorada. Ela trabalha na Fundação Vida e o jornalista tem agendado uma entrevista com o proprietário da empresa. Logo ele coloca tudo a perder, quando na entrevista investe contra Carlton e, então, é demitido do trabalho. Fica alguns meses sem emprego, bebendo e amparado por amigos. Até que a Dra. Dora, que não compartilha das maldades com as cobaias humanas, procura Eddie denunciando a empresa. E promete dar-lhe provas concretas.

Bem, eu não assisti em 3D e não senti falta alguma. Com uma trilha sonora intensa e efeitos especiais precisos, o filme passa para a parte da ação, com perseguições, lutas corporais e as aparições do simbionte Venom, que se usa do corpo do jornalista.

Produzido pela Sony, que vendeu os direitos do Homem-Aranha por cinco filmes para a Marvel, a produtora arrisca contar sobre o universo do jovem. Afinal, Venom é vilão nas histórias do super-herói e apareceu no Homem-Aranha 3,  porém na pele de outro ator.Então o que vemos é a origem de Venom. Vilão que até dá para ter torcida, pelo menos nesse filme. Ele veio como uma forma viva em uma das viagens ao espaço. E aqui se descobre que precisa de um hospedeiro para sobreviver.

Com direção de Ruben Fleischer, as cenas engraçadas ficam por conta de personagem e simbionte. E Tom Hardy está muito bem. Debochado, rebelde, irônico, sarcástico e violento, para mim, é o substituto de Mel Gibson.

Uma pitada de fantasia, um pouquinho de humor e romance, um quê de loucura e o filme chega ao fim, com uma luta entre as criaturas. Com bons efeitos e certa ousadia o diretor ainda opta por duas cenas pós-créditos. A primeira dá uma dica para a continuação. A última é, praticamente, um pequeno trailer da animação Homem-Aranha no Aranhaverso.

Confira a programação AQUI.

Nota: 9.

Beijocas

Eu até gostei. E vocês?

Graça Siqueira

Olá pessoal, eu sou a Graça. Jornalista, gaúcha de Pelotas (RS), 62 anos, esposa, mãe e avó. Desde pequenininha amo o cinema. Também adoro livros, músicas e escrever. Sou bastante emotiva. Tenho muitos ídolos em todas as áreas. Sou simples, alegre e otimista.

Facebook Instagram Twitter Google+
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Copyright 2010-2018 • Portal Literário JuLund • Todos os direitos Reservados

Desenvolvido por Studio Sigales