Entrevista com Fred Furtado, Vampiros, @AVEC_EDITORA

por há 3 anos e 228 leituras

Confira entrevista concedida pelo Fred Furtado, autor do conto Sangue e Poeira da Coleção Sobrenatural: Vampiros.

Fred Furtado

Pergunta: Uma temática tão ampla como Vampiros é difícil de escrever? Quer dizer, você teve dificuldades para elaborar o seu conto por causa da temática?

R.: Na verdade, não, porque logo depois do convite para participar da coleção, me veio a inspiração para a minha história. Eu e minha mulher estávamos assistindo um documentário sobre o dust bowl e ela sugeriu que essa seria uma boa ambientação para o conto. Isso tinha tudo a ver, porque o dust bowl é um dos elementos da história Eu sou a lenda, do Richard Matheson, que é um escritor que admiro, especialmente por essa noveleta.

Pergunta: Falando em vampiros, qual é o seu vampiro(a), personagem da literatura, preferido?

R.: Não sei se tenho um que seja o mais preferido de todos. Obviamente, gosto bastante do Drácula e nutro grande simpatia pelo Louis, de Entrevista com o vampiro, da Anne Rice. Acho ele mais interessante que o Lestat e os outros vampiros.

Pergunta: Com a mudança dos tempos não há mais uma fórmula monstro/herói, você acha que isso foi uma melhoria?

R.: Sim. Qualquer mudança que expande as opções para a narrativa é bem-vinda. Só acho que nas últimas décadas essas alternativas foram bastante exploradas, a ponto de ser difícil encontrar vampiros monstruosos sendo combatidos por heróis. Minha impressão é que o pêndulo está voltando pro lado da monstruosidade e gosto disso. Por isso achei tão interessante a proposta da Coleção Sobrenatural e tentei explorá-la no meu conto.

Pergunta: Escolha um dos personagens de seu conto e fale sobre ele.

R.: O Índio Tonho é o herói do meu conto. Pode não parecer, devido à introdução dele na história, onde pinto uma quadro meio estereotipado do indígena afligido pela alcoolismo, mas isso é intencional, parte do arco dele na narrativa. O Índio Tonho é tão importante quando o narrador.

Pergunta: Falando um pouco de você, qual é o seu tipo de literatura? O que você lê por prazer?

R.: Gosto muito de fantasia e ficção científica, mas não me furto a ler outras coisas, como obras não ficcionais. O último livro desse tipo que li for The Wehrmacht, do Wolfram Wette, que fala sobre o mito das “mãos limpas” do exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial. Acho importante ler coisas diferentes, não só pela informação, mas também para estimular a criatividade. Sou também fã de quadrinhos e leio muita coisa feita nessa área. Gosto principalmente de super-heróis, mas hoje em dia nem sou tão chegado na Marvel e DC, preferindo propostas alternativas que envolvam gente com superpoderes. Ou não, tem muita coisa boa nos quadrinhos independentes.

Pergunta: Esses livros e autores que você gosta influenciam na hora que você escreve?

R.: Não sei se influenciam diretamente, mas é claro que a bagagem que eles me proporcionam está lá no meu inconsciente e alimenta a minha criatividade. No caso específico do Sangue e poeira, posso até fazer uma conexão direta com o Eu sua a lenda, do Richard Matheson, que é uma das minha histórias favoritas dele.

Pergunta: Você tem algum vicio de escrita? Algo que não possa faltar na hora de escrever, ou algum clichê que goste de usar?

R.: Sou meio avesso a descrições extensas de ambientes e personagens. Prefiro dar alguns elementos e deixar o leitor preencher a imagem a seu gosto. Também procuro usar um tom mais coloquial na minha escrita. Por exemplo, será muito pouco provável que um personagem meu inicie uma frase com um “Dê-me” (ele usará “Me dê”). Isso só acontecerá se eu quiser mostrar que o personagem é formal demais ou anacrônico.

Pergunta: Como foi a experiência de participar da Coleção Sobrenatural: Vampiros?

Foi bem legal. Já tinha publicado dois contos no Kindle Market com ajuda de um amigo que tem um selo para esse tipo de publicação, a Z Edições. Mas nunca tinha participado do processo editorial completo, como foi o caso agora. Ter uma editora mais estruturada por trás de tudo faz diferença.
Pergunta: Conte para os nossos leitores, sobre suas obras já publicadas, e projetos para o futuro.
Como disse, já tenho dois contos (ambos em inglês) no Kindle Market, o Choices e o Webs of Magic. Também escrevo material para RPGs. No momento, tenho uma aventura The Sorcerer of Volupa, para o jogo Honor + Intrigue, e um suplemento para o RPG de super-heróis Mutants & Masterminds: Atlas of Earth-Prime: South America.

Para o futuro, pretendo continuar escrevendo contos. Inclusive, já confirmei presença no segundo volume da Coleção Sobrenatural. A ideia é tentar aumentar minha produção e, quem sabe, no futuro próximo, lançar uma antologia.

Mais uma super entrevista!! Não deixe de conferir a resenha do livro Coleção Sobrenatural: Vampiros AQUI.

Beijinhos da Paty ;)

Paty

Pode me chamar de Paty, sou uma libriana sentimental e cabeça dura que gosta de escrever, Gosto de vampiros e anjos e tudo aquilo que me tira da realidade, livreira por vocação. Insegura e corajosa, nervosa e determinada, são as contradições que fazem de mim quem eu sou.

Facebook Instagram Twitter Google+
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Copyright 2010-2017 • Portal Literário JuLund • Todos os direitos Reservados

Desenvolvido por Studio Sigales