Resenha: O ceifador, ed. Seguinte

por há 1 mês e 63 leituras

SINOPSE

A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria… Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador – um papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a “arte” da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão – ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais -, podem colocar a própria vida em risco.

O Ceifador, de Neal Shusterman (não sei pronunciar esse sobrenome ainda rs) vem falar sobre um mundo onde os humanos e a tecnologia superaram a morte e as doenças. Se alguém se atira de um prédio,  será recolhido e ressuscitado. Se ficar doente, será curado. Foi por isso que os ceifadores foram criados, nada de sobrenatural, são pessoas comuns que são treinadas para eliminar um avanço populacional desenfreado. E essa escolha não é nada pessoal, apenas necessário. Os ceifadores fazem o que precisam, matam para manter o equilíbrio de uma sociedade.

“Não raro, a cor do manto dizia muito sobre a personalidade do
ceifador. O tom de marfim daquele ceifador era agradável, distante
de um branco puro que agrediria os olhos com seu brilho. Mas
nem por isso aquele que o usava deixava de ser quem ou o que era.”

Aqui o tema me fisgou: a sonhada IMORTALIDADE. Uma vida infinita. Já imaginaram como seria? Nada de ficar velho…doente… Bem, a ideia me fascina e o livro trata isso e a morte (verdadeira, pelos ceifadores ou a “tentativa de”) de forma leve e interessante. Ei,você pode ler uma amostra do livro O Ceifador, aqui.

Os ceifadores no caso, são tipo umas celebridades – com suas capas longas – pelo poder que carregam consigo e logo de cara nos deparamos uma uma menina simples que é escolhida para se tornar uma ceifadora. Uma ótima abertura para essa distopia romântica YA que  acaba desvendando que o mundo em questão não é perfeito, mas muito mais obscuro do que imaginamos.

Ah, antes de seguir lendo meu comentário, assista o Book Trailer dessa obra:

 

“Em O ceifador, a humanidade venceu a morte e todos podem rejuvenescer quantas vezes quiserem. Para controlar o excesso populacional, os ceifadores têm uma única tarefa: matar. A vida de Citra e Rowan, dois adolescentes de dezesseis anos, muda por completo quando se tornam aprendizes do ceifador Faraday – ao final do treinamento, só um deles será escolhido, e o outro, a sua primeira vítima.”

Não tive tantas expectativas quando comecei a ler, através de uma indicação, mas fui facilmente envolvida. No entanto os queridos Citra e Rowan não me cativaram 100% o que, no decorrer do livro, foi tirando o estímulo da leitura. E, aqui, faço um parênteses – estava em busca de algo semelhante à uma duologia Dueto Sombrio, que li e me apaixonei, o que torna meio impossível meu “gostar” de forma não comparativa com O Ceifador. 

 

Confira a resenha da JU TORRES, desse mesmo livro AQUI!!!!

Em Suma, dou três estrelas para essa obra, com a certeza que voltarei nessa leitura futuramente. LEIA algumas páginas do livro clicado aqui no google books.

Do diário de coleta da ceifadora Curie

 

Título original: SCYTHE #1
Tradução: Guilherme Miranda
Páginas: 448
Acabamento: Brochura
Lançamento: 2017
Selo: Seguinte

Ju Lund

Escritora, graduada em Artes Visuais e pós-graduanda na área,Téc. em turismo e hotelaria, gaúcha de Pelotas que adora assistir séries de tv. Viciada em Lititeratura. Fundadora do site (em 04/10) e Editora Chefe deste Portal. No Twitter @aJuLund

Facebook Instagram Twitter Google+
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Copyright 2010-2019 • Portal Literário JuLund • Todos os direitos Reservados

Desenvolvido por Studio Sigales