O Retrato de Dorian Gray, resenha.

por há 6 anos e 4323 leituras

001Confira a capa, a minha resenha e leia um trecho do livro O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, publicado no Brasil pelo selo Penguin- Companhia das Letras.

Sinopse:

Versão de Oscar Wilde para o mito faustiano da perda da alma em troca dos prazeres mundanos, “O retrato de Dorian Gray” é um relato de decadência moral e punição, exemplo do humor cáustico e refinado de seu autor.
Dorian Gray é um belo e ingênuo rapaz retratado pelo artista Basil Hallward em uma pintura. Mais do que um mero modelo, Dorian Gray torna-se inspiração a Basil em diversas outras obras. Devido ao fato de todo seu íntimo estar exposto em sua obra prima, Basil não divulga a pintura e decide presentear Dorian Gray com o quadro. Com a convivência junto a Lorde Henry Wotton, um cínico e hedonista aristocrata muito amigo de Basil, Dorian Gray é seduzido ao mundo da beleza e dos prazeres imediatos e irresponsáveis, espírito que foi intensificado após, finalmente, conferir seu retrato pronto e apaixonar-se por si mesmo. A partir de então, o aprendiz Dorian Gray supera seu mestre e cada vez mais se entrega à superficialidade e ao egoísmo. O belo rapaz, ao contrário da natureza humana, misteriosamente preserva seus sinais físicos de juventude enquanto os demais envelhecem e sofrem com as marcas da idade.

Resenha:

Dorian Gray é um jovem da alta sociedade inglesa, dotado de uma beleza extraordinária, é livre de pensamentos e rótulos, sua única preocupação é encontrar uma boa moça para passar o resto de seus dias. Durante um jantar conhece Basil Hallward, um pintor de renome, que se encanta pela beleza de Dorian e pede para lhe retratar.
A figura de Dorian inspira o pintor à busca da perfeição…

“Um retrato pintado com a alma é um retrato, não do modelo mas do artista.”

Eis que tudo muda quando Lord Henry lhe é apresentado, ele apresenta ao Dorian um mundo totalmente crítico, onde a vaidade e o prazer são os únicos fatores que fazem a vida valer a pena, onde a beleza é o bem mais precioso que uma pessoa pode ter.

Ao ver o quadro pronto Dorian se questiona sobre o quanto sua beleza irá durar, sobre o quão terrível será ver sua imagem no quadro permanecer intacta enquanto seu corpo irá envelhecer e ganhar as marcas do tempo.

O livro é cheio de metáforas, o que nos deixa com uma visão individual da trama, para alguns Dorian é um frágil garoto, para outros uma pessoa sem personalidade, e acredito até que acha gente que pense que ele já tinha toda aquela maldade dentro de si, mas para mim cada personagem foi usado com um símbolo, Wilde quis nos passar uma lição de vida através de uma belíssima história, Basil é a bondade, Dorian, o protagonista é a inocência e por isso sofre alterações com o passar do tempo, e, finalmente, Lord Henry que simboliza os prazeres da vida.

“ Anos atrás, quando você eu era um menino”, disse Dorian Gray, amassando a flor na mão, “você me conheceu, me bajulou e me ensinou a me gabar da minha boa aparência. Um dia me apresentou a um amigo seu que me explicou a maravilha da juventude, e finalizou um retrato meu que me revelou a maravilha da beleza. Em um momento de loucura, que, mesmo agora, não sei se lamento ou não, eu formulei um desejo, que talvez você possa chamar de prece..”

Avançando na leitura nós vemos o que isso causou de bom e de mal para Dorian e os desdobramentos disso são ainda piores. Dorian é excluído socialmente e sua loucura não tem fim, chega até a fazer coisas que vão contra a essência do que ele costumava ser.

Oscar Wilde é um dos escritores que mais me agradam e não pensem que isso facilitou um pouco na hora de resenhar, ao contrario, passei dias e mais dias para conseguir terminar essa resenha, espero realmente que todos possam ter a honra de ler O Retrato de Dorian Gray, pois este é um clássico atemporal, e que principalmente depois da leitura se questionem sobre o que realmente importa… Ninguém pode viver só de aparências uma vida toda.

Para ler as primeiras vinte e duas paginas clique AQUI.

Todo mundo sabe que Literatura Nacional não é bem vista, então eu peço a ajuda de você para divulgar, e que não queiram me matar por vez ou outra trazer um Clássico… Curtir, twittar, clicar em +1, compartilhar e deixar um comentário não tira pedaço né.! Bjks e até a próxima. Boa leitura…

 

JuTorres

Estudante de Psicologia, paulista. Fascinada por série, filmes, livros e um bom rock...Colaboradora Oficial desde setembro/ 12. No Twitter pessoal @jupsique

Facebook Instagram Twitter

3 comentários para “O Retrato de Dorian Gray, resenha.”

mariana

Nossa parece ser muito bom o livro, pois o filme por mais que seje protagonizado de uma forma compreendedora ainda sim faltará, palavras…

sofia martínez

La verdad es que la novela es muy buena, definitivamente se ha convertido en una de mis favoritas. Lo que me recuerda a PennyDreadful (http://www.hbomax.tv/penny-dreadful/) una serie que aborda el origen de personajes clásico de la literatura como Dorian Grey y el Dr. Frankenstein, la verdad está muy buena.

Trackbacks/Pingbacks

Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Copyright 2010-2018 • Portal Literário JuLund • Todos os direitos Reservados

Desenvolvido por Studio Sigales