Estilhaça-me, resenha IV @Novo_Conceito

por há 5 anos e 230 leituras

Confiram capa, sinopse e resenha de Estilhaça-me, primeiro livro da trilogia distópica de Tahereh Mafi, publicado pela Editora Novo Conceito.

estilhaca me

Sinopse:

“Juliette nunca se sentiu como uma pessoa normal. Nunca foi como as outras meninas de sua idade. O motivo: ela não podia tocar ninguém. Seu toque era capaz de ferir e até matar.
Durante anos, Juliette feriu e, segundo seus pais, arruinou o que estava à sua volta com um simples toque, o que a levou a ser presa numa cela.
Todo dia era escuro e igual para Juliette até a chegada de um companheiro de cela, Adam. Dentro do cubículo escuro, Juliette não tinha notícias do mundo lá fora. Adam ia atualizando-a de tudo.
Juliette não entendeu bem o que estava acontecendo quando foi retirada daquela cela e supostamente libertada, ao lado de Adam, e se vê em uma encruzilhada, com a possibilidade de retomar sua vida, mas por caminhos tortuosos e totalmente desconhecidos.
Estilhaça-me” é um romance fantástico, que intriga, angustia e prende o leitor até a última página com uma história surreal que mistura amor, medo, aventura e mistério e traz um desfecho surpreendente.”

Minha resenha do livro Estilhaça-me:

Tentei ler esse livro por diversas vezes, mas sempre nas primeiras paginas perdia o interesse, personagem fraca, cenário razoável só que não bem usado, ou seja, não via futuro na história… Só que tenha a cisma de nunca desistir por completo de um livro… o que nesse caso foi maravilhoso.

“Estávamos no matando na tentativa de permanecermos vivos. O tempo, as plantas e a sobrevivência humana são indissociáveis. Os elementos naturais estavam em guerra uns com os outros porque abusávamos de tudo. Abusávamos de nossa atmosfera. Abusávamos de nossos animais. Abusávamos de nosso semelhante.”

De certo modo ela me um pouco a trilogia a seleção, Príncipe X Guarda =  Comandante do Restabelecimento X Soldado e pelo menos pra mim a escolha ainda fica no cargo mais alto Warner apesar de ser o vilão da história tem vida, desejo, posso até extrapolar e dizer que vejo sonhos nele diferente de Adam que em todo momento parece precisar mais de Juliette como objeto de apoio. Juliette é muito diferente de América, talvez nas últimas páginas ela possa até chegar perto de ser aluna, mas lhe falta presença de espirito (deixar bem claro  que isso tudo é o que eu sinto, o que eu li nas entrelinhas e tenho certeza que a muitas pessoas que acham o total oposto).

Juliette tem 17 anos, está trancada há 264 dias em uma cela, longe de qualquer contato humano, o que explica toda a falta de presença que existe nela, diversas vezes a veremos repetindo frases mentalmente, ou parada sem responder simplesmente olhando, acho que foi feita uma pesquisa no comportamento humano após ficar exposto tanto tempo à nada, porque é bem real o comportamento dela e por isso o titulo “Estilhaça-me” cai como uma luva, tudo que ela tinha vivido foi ao chão.

“Na ausência de relacionamentos humanos, criei laços com as personagens do papel. Vivi amor e perda por meio das histórias enredadas na história; experimentei a adolescência por associação. Meu mundo é uma teia entrelaçada de palavras, amarrando membro a membro, osso a tendão, pensamentos e imagens todos juntos. Sou um ser comporto de letras, uma personagem criada por frases, um produto da imaginação fabricado por meio da ficção.”

Adam entra na história como companheiro de cela de Juliette, depois de um tempo saberemos que é armação de Warner só para ver como estava mentalmente nossa protagonista. O que me fez escolher Warner a Adam foi seu posicionamento diante da Juliette, Adam concorda com tudo, e suas conversas são bastante voltadas ao passado ou ao futuro, já Warner é total presente, ele sempre fala esquece os outros fizeram, você tem o poder e ninguém mais pode te machucar, fora inúmeras conversas fora do tema “você não pode tocar em ninguém”. Resumindo em Adam eu vejo medo e no Warner não.

“-Qual é sua condição?[…]

-Toque em mim.

– O que?[…]

-Quero saber exatamente do que você é capaz.”

Então basicamente é isso, nossa Vampira Juliette não pode tocar nas pessoas porque suga sua força vital, será que ela não pode mesmo tocar em ninguém? O que vai acontecer? O que aconteceu com o mundo? Mocinho ou Vilão? Que tal comentar leu, pretende ler ou desistiu no primeiro capitulo, sua opinião é importante.Curtir, twittar, clicar em +1, compartilhar e deixar um comentário não tira pedaço né. Bjks e até a próxima

JuTorres

Estudante de Psicologia, paulista. Fascinada por série, filmes, livros e um bom rock...Colaboradora Oficial desde setembro/ 12. No Twitter pessoal @jupsique

Facebook Instagram Twitter
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Copyright 2010-2018 • Portal Literário JuLund • Todos os direitos Reservados

Desenvolvido por Studio Sigales