Review de A Cabana

por há 7 meses e 319 leituras

Sinopse:

“Mack Phillips (Sam Worthington) vive em profunda tristeza após o desaparecimento de sua filha mais nova. Algum tempo depois da tragédia, ele recebe um chamado misterioso para retornar ao mesmo local onde vestígios da menina foram encontrados, para, enfim, receber uma lição de vida.”

Ficha técnica:
Data de estreia: Abril de 2017
Direção: Stuart HazeldineS
Atores principais: Sam Worthington, Radha Mitchell, Octavia Spencer, Sumire Matsubara, Avraham Aviv Alush
Gênero: Drama

A Cabana, de William P. Young, foi um dos livros mais lidos após seu lançamento em 2007. Era de se esperar que se tornasse filme. Então 10 anos depois, o diretor inglês Stuart Hazeldine chega às telonas com sua obra. Que não é uma obra prima, com certeza, mas um bonito drama, com fotografia de encher os olhos, bons atores, uma trama, não só religiosa, mas seguramente cristã. 
Mack sai com seus três filhos para acampar em um bosque. No dia em que devem voltar, enquanto o mais velho quase se afoga, a caçula desaparece repentinamente, sem que ninguém tenha se dado conta. Afinal todos se preocuparam com o garoto.
Logo a polícia chega à conclusão de que foi morta pelo raptor, tendo em vista as pistas deixadas em uma cabana abandonada e já existir busca por um homem que parece usar sempre dos mesmos métodos.

Mack é um cristão praticante e a sensação de ser abandonado por Deus o torna desesperado, inconsolável e acaba por se desconectar da família e amigos. Até que um dia recebe uma carta tendo a cabana como local de encontro e assinada por “Papai”, maneira com que a esposa Nan (Radha Mitchell), trata Deus.

Ele aproveita a ausência dos familiares e vai ao encontro. No início só encontra a cabana abandonada. Mas eis que vem Jesus (Avraham Aviv Alush) e o convida a visitar a casa onde ainda se encontram Papai/Deus (Octavia Spencer) e Sarayu/ Espírito Santo  (Sumire Matsubara).

A partir desse momento as imagens são lindas demais. Tanto no sentido fotográfico quanto na delicadeza das cores e sons. Além de diálogos repletos de muito amor. A escolha de uma mulher negra, um israelense e uma japonesa, não é mérito do diretor. No livro já havia ampla referência à santíssima trindade desse mesmo jeito.

A partir daí então temos os seguintes ensinamentos: só o amor constrói; o mal existe sim; porque Deus “permite” situações vividas pela filha de Mack; como o perdão é importante e capaz de transformar pessoas e que nosso dia a dia é um teste de fé.

Os diálogos entre Deus, Jesus, Espírito Santo e Mack são tocantes e nos fazem refletir. Além disso, temos a presença da Sabedoria (a atriz brasileira Alice Braga), que completará o que toda a humanidade deve aprender. Há uma cena bem interessante em que Mack conversa com Deus sobre as religiões e ouve como resposta: “religiões dão muito trabalho e têm regras muito complicadas”.

Seja de qual religião você for, a crença que tiver, vale a pena conferir A Cabana, pois trata, e muito, sobre a família. Confira a programação do Cineflix Cinemas AQUI.

Nota 9.

Beijocas
Espero que tenham curtido esse review e desejo a todos uma Páscoa repleta do espírito do Senhor!
Graça Siqueira

Olá pessoal, eu sou a Graça. Jornalista, gaúcha de Pelotas (RS), 61 anos, esposa, mãe e avó. Desde pequenininha amo o cinema. Também adoro livros, música e escrever. Sou bastante emotiva. Tenho muitos ídolos em todas as áreas. Sou simples, alegre e otimista.

Facebook Instagram Twitter Google+
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Copyright 2010-2017 • Portal Literário JuLund • Todos os direitos Reservados

Desenvolvido por Studio Sigales