#CabineDeImprensaRJ: #ReiArthur: A lenda da Espada

por há 5 meses e 3354 leituras

Cabine de Imprensa com cobertura de Anny Lucard

‘Rei Arthur: A Lenda da Espada (King Arthur: Legend of the Sword, 2017) é um filme de ação, ambientado num universo fantástico sobrenatural, que tem a mesma proposta apresentada pelo cineasta Guy Ritchie, quando decidiu iniciar uma nova franquia cinematográfica de ‘Sherlock Holmes’, criar um visual surreal ao recontar uma história já conhecido, com muitos efeitos visuais.

No entanto, diferente das histórias escritas por Sir Arthur Conan Doyle, a história sobre o rei das terras onde surgiria no futuro o Reino Unido é uma lenda famosa que remete a origem dos britânicos. Mesmo que tão fantástica, quanto a lenda sobre os irmãos Rômulo e Remo na Itália, que teriam fundado Roma; as várias versões da dita lenda já deram margens para diversas pesquisas que buscam provar que tirando a parte mágica da vida do Rei Arthur, ele teria existido.

Existindo ou não, a lenda do Rei Arthur, do mago Merlin, da mágica espada de Excalibur da Dama do Lago, dos Cavaleiros da Távora Redonda e da Morgana Le Fay, sempre fascinou a todos e foi contada e recontada a exaustão.

Muitos inclusive arriscaram a recontá-la adicionado elementos alegóricos próprios, personagem lendários de uma dada região, como reza a lenda que seria o caso de uma versão das terras francesas, onde a lenda ganhou um personagem tão irônico quanto o próprio Rei Arthur, Sir Lancelot.

Com direção de Guy Ritchie, o roteiro é escrito pelo próprio diretor, junto com Joby Harold e Lionel Wigram, o qual não é nem uma adaptação de algumas das histórias já escritas, tão poucos remake de alguns dos filmes já produzidos. Isso porque ao usar o mesmo estilo de filmagem visto na franquia ‘Sherlock Holmes’ do cinema, o filme estrelado por Charlie Hunnam no papel principal, mostra a jornada de um jovem, chamado Arthur, até a maturidade e a descoberta de seu direito de nascido, o de herdeiro do reino, do trono e de uma espada com poderes sobrenaturais inimagináveis.

Tal direito foi usurpado pelo tio de Arthur, Vortigern (Jude Law), que não mede esforço para se manter no poder. Porém, sua frustração é não conseguir possuir a espada que um dia foi do irmão Uther e que agora seria de direito de Arthur.

Esse roteiro, além do principal personagem, o jovem herdeiro e futuro rei, ter o nome de Arthur, apenas algumas referências a lenda original são encontradas. Porque trata-se de uma história nova e com muita “licença poética”.

Para quem gostou da franquia ‘Sherlock Holmes’, o filme provavelmente irá agradar. Já quem conhece bem a história do Rei Arthur, seja a lenda ou alguma das histórias inspiradas já escritas, saiba que é uma história totalmente nova e bem diferente de tudo que foi escrito e produzido até hoje.

Feito com foco nos efeitos visuais, tanto para 2D como para 3D, o filme abusa no visual surrealista e sombrio já visto nos filmes sobre Sherlock Holmes. A produção também assume seu lado fantasia desde o início, deixa evidente características que lembram o universo ficcional de ‘O Senhor dos Anéis’ ou mesmo ‘Warcraft’, afastando a ideia que a trama se passa em algum momento do passado da História Humana.

‘Rei Arthur: A Lenda da Espada’ é distribuído pela Warner Bros. Pictures, produção em associação com a Village Roadshow Pictures, Weed Road/Safehouse Pictures e Ritchie/Wigram Production, e estreia na próxima semana, dia 18 de maio, nos cinemas do Brasil.

Anny Lucard

Tecnógola em cinema e produtora de rádio. Especializada em edição de som e imagem. Mente por trás da criação do Projeto Literatura Nas Ondas Do Rádio, de incentivo à leitura e de apoio a literatura em língua portuguesa. Escreve sobre cinema e literatura, tanto para a internet como para programas de rádios. Elabora roteiros nas horas vagas, Colunista Convidada desde agosto/ 12. No twitter pessoal @annylucard

Facebook
Loading Facebook Comments ...
Loading Disqus Comments ...

Copyright 2010-2017 • Portal Literário JuLund • Todos os direitos Reservados

Desenvolvido por Studio Sigales